Você tem fome de quê?

tipos de fome

Conheça os diferentes tipos de fome

Você já se perguntou sobre o motivo de ficar com aquele desejo quase que incontrolável para comer algum doce após as refeições, mesmo quando estamos cheios? Ou então da boca salivar ao sentir um cheirinho de bacon ao passar em frente a uma lanchonete? Ou sentir fome só de olhar um outdoor com o anúncio de pizza?

É muito pouco provável que essas sensações sejam fome, mesmo se estarmos sentindo sintomas como boca salivando ou estômago roncando. Existem diferentes tipos de fome e infelizmente nem sempre temos capacidade para distinguir as fomes reais das falsas. E isso poderá render quilos a mais na balança!

Se logo depois de uma refeição, você sentir fome, é preciso observar a intensidade da fome e se ela é apenas um desejo momentâneo e passageiro. Muitas vezes, esse tipo de fome após as refeições desaparece por conta própria pois se trata apenas de desejos devidos a algum estímulo emocional, sensorial ou mental.

Essas sensações chegam rapidamente e com a mesma rapidez, podem desaparecer, mesmo que não se coma nada após o almoço ou jantar. Além disso, você já deve ter observado que geralmente a fome que surge é por alimentos específicos como chocolates, doces, massas, fast foods, frituras, etc, justamente por alimentos que podem atrapalhar a nossa dieta.

Conheça os tipos de fome

tipos de fome

1. Fome Emocional

Como o nome sugere, este tipo de fome é uma reação às nossas emoções. Estamos tão acostumados a reagir desta forma que temos dificuldade até de perceber. Por exemplo, quando estamos nos sentindo tristes, frustrados, entediados, estressados, deprimidos ou ansiosos, acabamos procurando por alimentos que nos dão conforto como chocolate, salgadinhos, frituras, doces ou sorvetes.

Como driblar a “fome emocional”: Não há nada errado em comer algo que nos dê prazer, porém não podemos deixar que esses alimentos se tornem nossas muletas emocionais, causando dependências que acabam piorando ainda mais a nossa autoestima. Leia também: 10 dicas para se manter motivada na dieta.

Podemos ainda acabar nos culpando pelo ganho de peso, fora os riscos para a a saúde, que o excesso de peso pode trazer. Portanto, esteja consciente se a sua fome provém de suas reações às emoções e se for, procure o equilíbrio e o controle, desviando sua mente para outras atividades como caminhada, exercícios e pensamentos positivos.

2. Fome Sensorial

É um tipo de fome não real, que nos acomete devido aos muitos estímulos que recebemos, como visuais, olfativos, táteis, auditivos e palatáveis. Existe até alguns termos que usamos para designar esses tipos de “fomes sensoriais”, tais como:

Fome visual: Se vermos algo delicioso em comerciais de TV ou folheando uma revista de receitas, quase automaticamente nos sentimos famintos.
Fome olfativa: Quando entramos em uma padaria, nossas boca até saliva com aquele cheirinho de pão quente ou pão de queijo. Isso acontece porque o cheiro da comida estimula-nos a sentir fome.
3. Fome Palatável:  É a fome ligada ao paladar, ou seja, quando por exemplo, sentimos aquela vontade de experimentar tal sabor ou sensações de comer ou beber algo quente ou frio, crocante ou macio, salgado ou doce, etc

Como driblar a “fome sensorial”: Encontrando maneiras de comer de forma saudável, fazendo substituições se for necessário. Por exemplo, na hora que aquela vontade de doce bater, que tal substituir os brigadeiros ou pudim, por um iogurte desnatado ou uma fruta?

4. Fome mental

Este tipo de fome advém do seu cérebro e é ele quem decide o que você precisa comer. Quando estamos com esse tipo de fome, quase sempre a fome aparece depois de lembranças ou recordações de algo que comeu em outros dias.

Como driblar a “fome mental”: Sua mente acaba assimilando esse pensamento e você acaba ficando com vontade de comer. A única forma de combater esse tipo de fome mental é desviar sua mente para outros assuntos ou outras atividades. Aproveite e leia as dicas do: Reprograme sua mente para queimar gordura.

5. Fome estomacal

Essa sim é a fome normal, que é quando realmente nosso corpo denota necessidade do alimento. A fome do estômago raramente vem de uma hora para outra. Ela ocorre gradualmente e seu pico é sempre algumas horas após uma refeição. Ao contrário da fome emocional ou sensorial, que após comer nos faz sentir culpados, comer devido à fome do estômago nos faz sentir bem.

Como driblar a “fome estomacal”: Não devemos deixar que a fome estomacal fique muito intensa, para que não ocorra exageros durante as refeições. Uma dica importante é fazermos refeições menores porém frequentes, pois dessa forma, a fome fica sempre controlada. Leia: 8 dicas para comer menos e evitar a gula.

6. Fome Celular

Este tipo de fome é resultante de uma dieta deficiente de nutrientes vitais para o nosso organismo, como carboidratos, proteínas, gordura. Para tudo existe um equilíbrio e na alimentação não é diferente. Devemos ter uma alimentação eficiente, porém sem pecar pelo exagero.

O excesso de carboidratos, por exemplo, causa um aumento no nível de glicose no sangue, fazendo com que o corpo estoque mais energia, que consequentemente se transforma em gordura. Porém, a falta de carboidratos, fará que nosso corpo fique sem energia, e isso fará com que ele “roube” energia da nossa massa muscular.

Por isso a importância de se encontrar um meio termo, que só é possível quando temos uma alimentação equilibrada com carboidratos complexos, proteínas magras, gorduras boas.

Como driblar a fome celular: Para evitar a fome celular não tem segredos, basta seguir os princípios básicos de uma dieta balanceada, além é claro de comer com mais frequência (entre 5 a 6 vezes por dia).

A reeducação alimentar é sempre o melhor caminho para uma boa nutrição, emagrecimento saudável e a certeza de que nosso organismo não estará se privando de nenhum nutriente essencial para o bom funcionamento das suas funções.

7. Fome de água

Ah, existe ainda a “fome de água” e essa é uma das mais importantes para o nosso organismo. Muitas pessoas confundem a sede com a fome e com isso, deixam de abastecer seu corpo com quantidade suficiente de água. Como sabemos, mais de 75% do nosso corpo, constitui de água e ela é essencial para que nossos órgãos desempenhem suas funções adequadamente.

banner1140fitAlém disso, nosso corpo quando não recebe água adequadamente, fica com o metabolismo lento e isso dificulta o processo de emagrecimento. Compare o nosso corpo com um motor de um carro, onde a água desempenha o mesmo papel do óleo. Se não trocarmos o óleo com frequência, as engrenagens do carro começam a pifar.

Com o nosso corpo é a mesma coisa. Sem água, nosso corpo não funciona adequadamente. Portanto beba, no mínimo, dois litros de água por dia. Quando der uma sensação de fome, experimente, beber água!

Quem sabe aquilo que você pensava ser fome, não era simplesmente sede? Assim, além de privar seu corpo de calorias desnecessárias, você ainda contribuirá para que ele fique bem hidratado.

Agora que você conheceu os diferentes tipos de fome, com certeza, conseguirá ter mais consciência sobre que tipo de fome está sentindo em determinado momento. Aprendendo a ouvir o nosso corpo, podemos comer conscientemente e manter o peso. Mantenha uma rotina alimentar, comendo nas horas certas e evitando comer fora de hora. Lembre-se sempre daquele velho ditado:

“Devemos comer para viver e não viver para comer”!
Boa Dieta para todos (as)!

Compartilhe este artigo:Share on Facebook42Share on Google+0Email this to someoneTweet about this on Twitter

Quer receber dicas gratuitas de saúde e para emagrecer diretamente no seu email? Basta se inscrever abaixo!

1 Comentário

  1. Pingback: Bebida alcoólica engorda? | Emagrecer Urgente

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *